"Nunca me esquecerei do meu primeiro salto!” – Será esta a resposta à pergunta que certamente já nos fizeram.
O salto em pára-quedas é uma prova de decisão, coragem e de terminação. O simples facto de  abandonar voluntariamente uma aeronave em voo para o vazio e esperar que um conjunto de panos e ferragens salvem  a nossa vida é algo de corajoso.
A apreensão, o bater acelerado do coração, o receio de não se saber se o medo será vencido, se irá ou não conseguir-se, mais uma vez, transpor a porta e lançar-se na incógnita.
As vozes de comando, a posição à porta, com as vozes de “EM POSIÇÃO!” e “JÁ!”, são comuns a todos os que ostentaram e ostentam uma Boina Verde. O trabalhar dos motores, o cheiro intenso a combustível,  o vento quente, a luz verde e o silêncio após a saída, são sensações, vozes, gestos e sons que ficaram para sempre memorizados.
A aparente singularidade de uma saída nunca deixará se ser simplesmente “a fase mais emocionante  de um salto”.
Saltar em pára-quedas é pois uma das maiores provas de decisão que um militar terá pela frente.  E servir-lhe-á de guia nas  futuras decisões...